Dolmen: jogo nacional mostra potencial do Brasil no mundo dos games | Análise / Review

dolmen

O jogo Dolmen se trata de um RPG de ficção científica, desenvolvido pelo brasileiro Massive Work Studio. Ele busca criar um game que mistura elementos de horror com um ambiente de muita ação e aventura.

O que será que o game nacional é capaz de entregar aos jogadores? Ele tem potencial para fazer sucesso mesmo na nova geração de consoles? O TudoCelular testou o título antecipadamente para Xbox Series S e conta os detalhes a seguir.

A trama envolve a ida do protagonista ao planeta Revion Prime, com o objetivo de descobrir os motivos para incidentes misteriosos acontecerem no local. Os acontecimentos teriam causa no uso de maneira errada do cristal chamado Dolmen.

Quando chega no local, o protagonista precisará enfrentar monstros assustadores que tentaram matá-lo. A sobrevivência demandará grande esforço e criação de diferentes “linhas do tempo” quando se morre alguma vez, até descobrir a verdade do local.

Esse estilo foge de um soulslike padrão, já que temos uma participação maior do personagem na trama. Afinal, ele chega com um objetivo e descobre vários desdobramos ao longo do progresso – nem sempre com uma ligação clara entre si.

Você terá maior conhecimento sobre o contexto da aventura ao longo do game, por meio de cutscenes ou textos posicionados em auras vermelhas no chão, os quais são acompanhados de instruções de movimento.

Por se tratar de um jogo brasileiro, há localização completa para o idioma português em toda a produção. Assim, a compreensão não será um problema para qualquer tipo de gamer.

Este jogo tem a visualização em terceira pessoa. Desta maneira, você consegue ver o seu personagem e o que está ao redor dele. Há dois métodos de combate: um mais físico e direto, com a espada ou outro tipo de arma que estiver na sua mão; e outro a distância, por meio de tiros de arma de fogo.

O jogador também precisa administrar barras de energia, de vida e o uso de baterias para recarregá-las, a fim de trazer a estratégia para dentro do game. Uma pena que há pouca precisão nos movimentos e muitas vezes isso poderá atrapalhar os seus ataques ou até mesmo durante uma defesa.

Você poderá apostar em três tipos de elementos – gelo, fogo e veneno –, os quais terão influência sobre a quantidade de dano aplicado nos oponentes – ou seja, temos uma mecânica de fraquezas aplicada aqui. Uma pena que a troca de elementos e a interface não tem um processo tão facilitado assim.

A aventura ainda conta com chefes espalhados pelas fases. O nível de dificuldade, apesar de não ser dos mais fáceis, mantém um bom nível e se torna mais complexo conforme o passar do tempo.

O ritmo dos acontecimentos atende bem ao estilo de horror, ao entregar momentos em que se deve atacar rapidamente e outros em que pode ser surpreendido por alguma criatura assustadora.

Um problema fica por conta do desequilíbrio de muitas vezes perder boa parte da sua vida e ter a velocidade reduzida após um único golpe sofrido. Isso demanda estar sempre atento para não perder vida desnecessariamente.

A parte gráfica já começa com duas opções logo de início: Modo Desempenho e Modo Qualidade. O primeiro mantém uma resolução menor para aumentar a taxa de quadros por segundo, o que pode te ajudar a ter um pouco mais de precisão nos ataques e nas defesas. Já o segundo explora os recursos visuais compatíveis, como o Ray Tracing, em troca de menos fps.

No geral, os movimentos do jogador são bastante artificiais e poderiam ser melhores. Mesmo os traços ainda ficam abaixo da média em títulos da nova geração de consoles e não entregam nada de novidade. Portanto, escolher a opção que usa os aprimoramentos de luz e sombra vão dar um ótimo ganho na experiência gráfica.

Apesar disso, os elementos voltados para o horror em Dolmen já são suficientes para dar arrepios em várias situações e assustar com criaturas assustadoras.

A trilha sonora também fica abaixo do esperado. Em um jogo de horror, a ambientação ficaria ainda mais pavorosa com uma música que favorecesse a ambientação. O som apenas aparece durante as lutas contra chefes.

Pelo menos, temos um jogo totalmente dublado em português. As vozes foram bem escolhidas e encaixadas dentro da história. Isso é algo que sempre ressaltamos como positivo, pois cria uma identificação maior com o público local.